(84) 4008-9490 Seg-Sex das 8h às 18h

contato@atijuridico.com.br

SIJAF

Blog da ATI

[ATUALIZAÇÃO 2019] Redes sociais para advogados e o novo marketing jurídico

Capa do artigo redes sociais para advogados

Uma das minhas dificuldades no começo da advocacia foi fazer o meu marketing pessoal para captar novos clientes. Eu não gostava de “fazer social”. Ir a eventos da área jurídica apenas para ser visto, muito menos aproveitar as circunstâncias do dia-a-dia para falar de mim. Mudei de área e agora trabalho com Marketing Digital, com foco para área jurídica. Mas, o que isso tem a ver com o texto em questão?

 

Primeiramente, a minha atitude de me esconder não era compatível com o exercício da advocacia. O que mudou quando migrei para a comunicação. Em segundo lugar, o tempo me mostrou que o marketing jurídico vai muito além do marketing pessoal, e que há muitas formas de ser visto e divulgar o exercício da advocacia além do social.

 

As redes sociais mudaram a forma como as pessoas se relacionam e comunicam no âmbito da internet. São muitas as possibilidades de criação de postagens para o usuário que busca por informações jurídicas na internet, desde vídeos, passando por artigos em blogs, utilização do e-mail marketing (mala direta), WhatsApp, entre outras. A seguir veremos como as redes sociais podem contribuir para tornar o marketing para advogados mais efetivo.

POR QUE REDES SOCIAIS PARA ADVOGADOS?

Via de regra, os sites e cartões de visita são as primeiras “fachadas” dos advogados, os canais de comunicação por excelência entre os advogados e seus propensos clientes. As redes sociais vieram para agregar a essa realidade. Com elas foi/é possível ampliar o número de fachadas, não físicas, mas sim virtuais, facilitando o contato entre advogados e usuários e internet.

As redes sociais vieram para somar esforços aos métodos tradicionais
de comunicação, como a tv, rádio e jornais.

Aumentar o número de fachadas, pontos de contato entre os advogados e possíveis clientes, é apenas uma das vantagens da utilização das redes sociais. Outro fator que precisa ser melhor compreendido, não só pelos advogados, mas por todos os profissionais que criam conteúdo (postagens) para a internet, é o fator relacionamento. Uma vez nas redes sociais será preciso estar aberto ao outro. O sucesso de inúmeros blogueiros estar justamente na capacidade de interação, nas trocas, entre eles e o público.

 

Os sites continuam importantes para os advogados, mas é preciso criar espaços onde os advogados e clientes possam conversar. As pessoas têm dúvidas, receios, curiosidades sobre determinado assunto, que um advogado do outro lado da tela pode ajudar a sanar. No fim das contas, a dúvida respondida fará o advogado ser visto como referência no assunto.

 

Ainda sobre a interação entre os sites e as redes sociais, as últimas servem de canal entre os usuários da internet e o conteúdo disponibilizado pelos advogados em seus blogs. Ou seja, as redes sociais para advogados funcionam como proliferadores dos conteúdos disponibilizados nos blogs. As iscas para levá-los aos blogs/sites são lançadas nas redes sociais. No site os usuários irão encontrar uma gama ainda maior de informações sobre você, seu escritório e serviços.

QUAIS REDES SOCIAIS UTILIZAR?

Hoje em dia há inúmeras opções de redes sociais. Algumas mais apropriadas para o meio jurídico, outras nem tanto. Porém, eu acredito que não há uma regra absoluta. Cabe a cada profissional traçar suas metas e objetivos, estudar as redes sociais e decidir qual delas será a melhor opção para a conquista dos seus objetivos.

 

Facebook: a maior rede social do mundo vem sofrendo alguns baques. Os vazamentos de informações prejudicou sua credibilidade junto aos usuários. Além disso, os algoritmos passaram a privilegiar os perfis pessoas em detrimento das empresas. Em termos práticos, houve uma redução ainda maior do alcance das postagens orgânicas (não pagas). Para alguns, o Facebook está com os seus dias contados. Para mim, eu acredito na crianção de postagens envolventes que gerem engajamento (comentários, curtidas e compartilhamentos). Contudo, ainda que eventualmente, molhar a mão do Mark Zuckerberg também é importante.

 

Instagram: o Brasil é o seu segundo maior mercado, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. Seu apelo visual conquistou milhares de usuários com suas possibilidades de postar fotos instantâneas, vídeos e, mais recentemente, as stories, com suas inúmeras possibilidades de uso. Eu diria que a curiosidade das pessoas movem redes sociais como o Instagram e o Snapchat. Considero o Instagram interessante entre as possibilidades de uso das redes sociais para advogados, desde que bem utilizado. Por exemplo, não é suficiente respostar postagens de portais jurídicos, como vejo muitos escritórios fazerem. É preciso criar postagens próprias. Planejar o fluxo de postagens, ter em mente qual o seu público alvo, e por fim, manter a constância.

 

Youtube: é a rede social preferida dos brasileiros para assistir vídeos. Os vídeos tutoriais são uma febre, e alguns advogados vem tirando proveito deles. Assim, o Youtube é a rede social ideal para os advogados não tímidos quem desejam apostar nos vídeos mais longos e elaborados. As pesquisas na área do marketing digital apontam a preferência dos consumidores pelos vídeos em detrimentos de outros formatos.

 

Linkedin: é a rede social dos profissionais e empresas. Ideal para os advogados que atuam nas áreas empresarial e correlatas, por encontrarem no Linkedin um canal direto de comunicação com os gestores das empresas. Nos maiores centros urbanos do país, os usuários do Linkedin utilizam a rede como plataforma de network, busca por soluções e conteúdo de qualidade – esse último quesito pode ser explorado por todos, de qualquer lugar.

 

O WHATSAPP CONTA?

WhatsApp: o WhatsApp conta sim. Vejo poucos advogados citarem o WhatsApp como ferramenta de marketing. No meu entendimento, o whatsapp é subaproveitado, ficando apenas como aplicativo de mensagens instantânea.

 

Vejam bem, os advogados têm os contatos dos seus clientes no celular. Assim, uma boa maneira de fidelizar os clientes e, talvez, prospectar novos negócios é informando-os via listas de transmissão com as notícias mais quentes. Enviar aos clientes decisões importantes mostrará que você está atualizado e preocupado com ele.

Reforço o que já disse sobre as redes sociais: não há regra absoluta. 
A melhor rede social será aquela que melhor atender os seus objetivos.

Para saber mais sobre o marketing jurídico na esfera digital, leia o artigo Marketing Jurídico Digital: por que devo entender?, nele eu abordei a importância do conteúdo das postagens como fator decisivo para o sucesso do marketing jurídico.

 

Artigo escrito por Pedro Motta, advogado de formação e OAB. Até que decidi migrar para o Marketing, em especial para a área da Comunicação Digital. Redes sociais para advogados e afins.

Deixar uma Resposta



POCKET JURÍDICO